Como apresentar um cão a um gato

cao_gato_art
A crença comum que existe uma inimizade natural entre o cão e o gato não corresponde à verdade.
Nos primeiros encontros, acontecem no entanto alguns "problemas de comunicação", que podem conduzir a desentendimentos. O Cachorro dirige-se para o gato com o intuito de brincar com ele, abanando alegremente a cauda. Para o gato, o abanar da cauda significa um sinal de agressão e de perigo eminente. Ele então avisa o cachorro com o abanar da cauda (no gato o abanar da cauda nunca significa agrado), reacção que o cão interpreta como um sinal de aprovação e convite à brincadeira. Dá então uma sapatada no gato em jeito de "anda, vamos brincar" ao que o gato responde elevando também a pata. Se o cão continuar, o gato pode arranhar-lhe o focinho, causando no cão uma aversão futura aos gatos. Cabe a si evitar que isto aconteça.

Controle o entusiasmo inicial do seu cão
Para si é obvio que o seu cão está apenas a tentar ser amistoso, mas o seu gato pode pensar de forma diferente. A sua tolerância pela maneira enérgica como o Bobi o cumprimenta (cheira, lambe…) é muito limitada. Não tardará muito para que ele tente uma retirada estratégica, sendo prontamente perseguido pelo Bobi. Os cães gostam de perseguir pequenas criaturas. Para eles é um acto instintivo a que acham muita piada. Cabe a si controlar este comportamento para que tudo corra bem. Se o seu cão estiver treinado, mantenha-o sempre sentado ou deitado durante a apresentação.

Se não conseguir controlar o seu cão com comandos verbais ("Não", "Senta"), mantenha-o sempre preso com trela. Se ele tentar atacar o gato pode borrifar um jacto de água no nariz dele. Se ele parar de perseguir o gato elogie-o. Tenha também cuidado para que o gato não arranhe e magoe o focinho do cão.



A aproximação
Deixe que o seu gato se aproxime do seu cão para satisfazer a sua curiosidade e investigar um pouco. Não se esqueça de manter sempre o cão sobre controlo. O seu gato começará assim a ganhar confiança e a perceber que partilhar a casa com o novo amigo poderá não ser tão mau como parecia.

Se o seu gato tentar fugir não o impeça de o fazer. Não deve forçar o encontro entre os dois. Deixe as coisas correrem naturalmente, sem pressas. Certifique-se que o Tareco tem um espaço seguro onde possa ficar fora do alcance do Bobi. Podem demorar algumas semanas até que o gato se habitue à presença do cão na casa.

Na sua ausência, deve sempre mantê-los separados, deixando o seu gato num sitio seguro, com a sua caixa de areia, brinquedos e água e o seu cão num sitio igualmente confortável.

Sempre que aconteça uma interacção positiva entre os dois, como por exemplo o seu cão deixar o gato passar por ele sem o perseguir, elogie-o o seu cão entusiasticamente. Se exercitar o seu cão com frequência, pode contribuir para que ele se mantenha calmo quando está em casa e não tente perseguir o gato.

Não se esqueça que o temperamento dos animais varia bastante, podendo haver uma intolerância maior por parte de certos cães ou gatos. No entanto, depois do período de habituação, provavelmente eles tornar-se-ão em grandes amigos.